Ebooks Grátis

sexta-feira, 6 de junho de 2014

OS QUE CONHECEM A SI MESMOS

A proposta socrática do Conhece-te a ti mesmo é da ciência de quase todos.

Sócrates despertou para a inscrição grafada na entrada do templo do deus Apolo, e a adotou como bandeira importantíssima, no que diz respeito à felicidade humana.

Pelo menos em dois de seus famosos Diálogos, escritos pelo fiel discípulo Platão, vamos percebê-lo trabalhando o tema com maior profundidade e, principalmente, orientando como aplicar os conhecimentos no viver diário.

Para aqueles que ainda acham que filosofar é apenas teorizar e divagar no mundo das idéias, faz-se mister entender melhor as bases verdadeiras da filosofia.

Vejamos o que Platão relata em Alcibíades, mostrando o diálogo de seu mestre com o discípulo Eutidemo:

Não é evidente ser esse conhecimento de si mesmo, fonte de infinidade de bens, enquanto milhares de males causa a visão estrábica das próprias possibilidades?

Vejamos a sabedoria deste pensamento, identificando que aqueles de nós que não nos conhecemos a fundo, não sabemos do que somos capazes, do que é possível se fazer com os recursos que temos à disposição.

Como crescer desta forma? Seja na área profissional, na esfera dos
relacionamentos e dos objetivos de vida que traçamos.

Aquele que se conhece profundamente, sabe do que é capaz. Sabe onde está, e por isso traça melhor os planos, e consegue chegar aonde deseja estar.

Sócrates continua seu pensamento dizendo:

Os que conhecem a si mesmos sabem o que lhes é útil e melhor sabem o que podem do que não podem fazer.

Realizando o que está em seu poder, conseguem o necessário e vivem felizes.

Abstendo-se do que vai além de suas forças não caem no erro e evitam o insucesso.

Será que já paramos para pensar: Isso é ou não é útil para mim?

Não nos referimos apenas ao campo das conquistas materiais, mas em relação a tudo na vida.
Qual a utilidade dessa escolha ou de se tomar este rumo ou de se apresentar este comportamento?

Os jovens, que também buscam seu lugar na sociedade, poderiam inquirir: Essa companhia me convém? Esse tipo de influência a mim me é salutar? Por que gastar meu tempo com isso ou aquilo?

Afinal, o que me será útil diante dos meus planos, para o meu crescimento moral, para o que eu desejo ser e construir em meu mundo próprio e melhor?

Cabe ainda entender a proposta do pensador, no que diz respeito a evitar insucessos.

Não fala ele dos insucessos naturais da vida - e necessários - mas sim daqueles provocados por nós, desnecessariamente, pela falta do autoconhecimento.

São as frustrações, as ilusões que criamos para nós mesmos, pela falta de saber o que realmente posso conseguir agora. Até onde posso ir. Qual o meu limite.

E ainda, por vezes, nesse afã de conseguir as coisas a qualquer custo, caímos no erro, nas armadilhas da vaidade sedutora, nos dando mal.

Eis aqui apenas algumas vantagens, algumas nuances das conseqüências sempre benéficas do autoconhecimento.

Quais são suas capacidades, seus talentos? Quais são seus limites pessoais? O que você está fazendo para ir além? E aonde você quer chegar?

Reflitamos sobre estas questões... Sempre.


Redação do Momento Espírita com base no livro Alcibíades, de Platão, Lisboa, Inquérito, 1985 e na Introdução do livro Autodescobrimento, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...