Ebooks Grátis

sábado, 17 de abril de 2010

DONA COMUNICAÇÃO: HISTÓRIA NÃO ESCRITA

Otávio, o caixa, por certo nunca ligara para problemas de comunicação. Falava e dizia. Pronto. O interlocutor que entendesse. Ignorava, talvez, que cada universo de ouvintes corresponde a um linguajar específico, um repertório.

Palavras como “isótopos” e “fissão” só costumam ser inteligíveis entre os iniciados em Física Nuclear. Expressões como “Malagueta diz que vai apagar o macaco” pode ser corriqueira entre os policiais e malandros, mas para outros mortais carece de tradução (Malagueta diz que vai matar o policial).

Otávio não atentava para isso e se julgava, decerto, possuidor de comunicação universal, acessível a qualquer repertório. Fazia e dizia. Quem ouvisse, que escutasse.

Assim, quando Terezinha lhe apresentou o cheque, ele nem imaginou que a cliente talvez não entendesse o idioma bancário.

– Por favor, moça, seu cheque é nominal a Terezinha Gomide, precisa de endosso.

Terezinha escutou, mas não ouviu.

(Pensando alto): – Nominal? Endosso? Endosso tem sabor de açúcar. Não, não é possível, não tem nada a ver.

– Desculpe seu Otávio, não entendi.

Otávio olha Terezinha com ar de estranheza diante da pergunta da cliente. Levanta seus olhos e diz:

– Simples moça. Coloque sua firma aqui no verso.

Ainda sem ouvir, a cliente espichou-lhe o olhar interrogante.

(Pensando alto): – Verso? Firma? Que diabos. Antes “nominal”. Agora “verso”, “endosso” e também “firma”. Ora, eu não sou sócia de nada! Nem poeta!

Terezinha atônita e envergonhada, achou de perguntar de novamente.

– Perdão, seu Otávio, desculpe estar chateando o senhor. É que eu não sou muito boa para entender as coisas. Será que o senhor pode me explicar de novo?

Otávio, já sem nenhuma paciência resmunga alguma coisa. De repente, deu-se o estalo. Pensou no repertório de Terezinha e tratou de adivinha-lo. Fácil, pensou. Com sorriso de “psicologice”, foi virando o cheque e apontou com jeito de cúmplice:

– Olhe com atenção, coloque aqui seu nome. Assim como você faz no final da carta que manda pro seu namorado.

Terezinha iluminou-se. Decidida, pegou firme na caneta e lascou no verso do cheque: Com todo amor, um grande beijo, Terezinha.

Diante daquela Terezinha sorridente, Otávio, o caixa, foi apresentado à “Dona Comunicação”. Sentiu que há repertórios e repertórios. E que falar nem sempre é dizer.

Autor desconhecido.

Um comentário:

Cida disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...