Ebooks Grátis

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

QUANDO VOCÊ PERDE O BRILHO

Esta semana recebi o telefonema de um antigo e competente aluno. Ele me procurou para pedir o meu conselho, pois pretendia pedir demissão da empresa onde trabalhava na alta gerência por julgar não ser reconhecido. Iria aventurar numa outra atividade!

Passou mais de uma hora me dando argumentos para que “eu o apoiasse” na sua decisão.

Eu disse que ao invés de pedir demissão deveria procurar aprimorar os seus processos; estudasse e aprendesse novos métodos, etc. Que não ficasse aborrecido quando ninguém percebesse ou comentasse aquilo que ele que havia feito. Afinal, o sol faz um enorme espetáculo ao nascer, e mesmo assim a maioria das pessoas continua dormindo... Foi aí que eu me lembrei de um dos capítulos, do livro de Fábulas e Lendas, de Leonardo Da Vinci, intitulado “A Navalha” e resolvi relatá-lo para ele. Conta o livro:


Era uma vez, (todas as boas histórias começam assim), uma navalha de excelente qualidade, que morava numa barbearia.

Certo dia em que a loja estava vazia, ela resolveu dar uma voltinha. Soltou-se do cabo e saiu para apreciar o lindo dia de primavera.

Quando a navalha viu o reflexo do sol em si mesma, ficou surpresa e encantada. A lâmina de aço lançava uma luz tão brilhante que, subitamente, com excessivo orgulho, ela decidiu: – Eu não vou voltar para aquela loja de onde acabei de fugir. É claro que não! Deus não pode querer que uma beleza tal como a minha seja desonrada dessa maneira.


Seria loucura ficar aqui cortando as barbas ensaboadas daqueles camponeses, repetindo sem cessar a mesma tarefa mecânica!

Será que minha beleza foi realmente feita para um trabalho desses? Certamente não! Vou me esconder num local secreto e passar o resto da vida em paz.

Em seguida foi procurar um esconderijo onde ninguém a visse.

Passaram-se meses. Um dia, a navalha teve vontade de respirar ar fresco. Saiu cautelosamente de seu refúgio e olhou para si mesma.

Deu-se conta de que algo terrível lhe acontecera. A lâmina estava horrorosa, parecendo uma serra enferrujada, e não refletia mais a luz do sol.


Ficou muito arrependida pelo que havia feito, e lamentou amargamente a irreparável perda.


Como teria sido melhor se eu tivesse conservado em forma a minha linda lâmina, cortando barbas ensaboadas! Minha superfície teria permanecido brilhante e minha borda afiada!
Agora, aqui estou eu, toda corroída e coberta de uma horrível ferrugem! E não há nada a fazer!


O triste fim da navalha é o mesmo que nos pode suceder quando nos permitimos a preguiça, quando deixamos de utilizar nossos talentos.

Talento não utilizado se embrutece, se perde.


Admiramos os bailarinos, em suas performances impecáveis. No entanto, não podem se permitir o abandono dos treinos diários, dos exercícios continuados.

De igual forma, os acrobatas, os ginastas.

Se relaxarem, logo perderão a elasticidade dos músculos, a plasticidade dos movimentos.

Assim também quem escreve, se deixa de fazê-lo, perde a leveza da forma, a possibilidade mágica de juntar letras e criar poesia, compor romances.


Se desatendermos do estudo, nossa capacidade de raciocínio declina.


Isso quer dizer que quanto mais lemos, pesquisamos, mais aprimoramos nossa mente, agilizamos nossos pensamentos.

O sábio homem de Nazaré lecionou, na parábola dos talentos essa profunda lição, narrando a diferença entre aqueles que utilizaram seus talentos e os multiplicaram e o que optou por enterrar o seu, vindo a perdê-lo.

Por isso é que, por vezes, desacostumados a ler, a estudar, vamos registrando deficiência gradual da memória, como se nossa capacidade fosse enferrujando.


É assim que o trabalho, essa ocupação útil, faz tanto bem ao corpo e à alma.

Na forja da atividade física ou intelectual, aprimoramos corpo e mente, ampliamos possibilidades, crescemos em capacidades.

Dessa forma, o convite se faz para a leitura, o estudo, a pesquisa, a atividade física, como meios de nos mantermos saudáveis, de corpo e alma.

Pense nisto e tenha uma ótima semana!

Fonta: Redação do Momento Espírita, com base no cap. A Navalha, do livro Fábulas e lendas, de Leonardo Da Vinci, ed. Salamandra

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...